Estes são os clássicos nacionais que só tendem a valorizar

A revista Quatro Rodas levantou quais carros nacionais tendem a se tornar clássicos ainda mais valorizados


Modelos marcantes tendem a ser considerados clássicos (Arte/Quatro Rodas)

Existe uma máxima entre os antigomobilistas: os primeiros, os últimos, o esportivo e o conversível serão sempre os exemplares mais valiosos de um modelo.


Mas alguns carros se sobrepõem a essa predileção natural. São os clássicos. E nem todo carro antigo é clássico.


Para o presidente do Veteran Car Club de Minas Gerais, Otávio Pinto de Carvalho, clássicos são carros caros, feitos em pequena quantidade com os melhores materiais da época que foi fabricado, ou que tenha que tenham representado algo especial.


Durante o Brazil Classics Show, encontro de clássicos, QUATRO RODAS tentou descobrir entre colecionadores e especialistas quais carros nacionais tendem a despertar ainda mais interesse no futuro.

Perto dos 30 anos, o Gol GTI já é considerado um dos grades carros nacionais modernos (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O Volkswagen Gol GTI está entre os mais citados. Lançado em 1989, poderá receber placa preta a partir do ano que vem, quando completa 30 anos.


Mas é importante desde seu lançamento: foi o primeiro caro nacional com injeção eletrônica e um dos mais rápidos de sua época. Embora haja carros à venda por pouco mais de R$ 20 mil, os em melhor estado já superam os R$ 120 mil.

A produção do Fusca foi encerrada em 1986, mas o presidente Itamar Franco resolveu relançar o Fusca: na época, listamos 10 motivos para não comprar o modelo (QUATRO RODAS/)

Por ter marcado a volta do Fusca ao mercado brasileiro em 1993, após um hiato de sete anos, o Fusca Itamar é outro Volks que só tende a valorizar. Sua produção durou até 1996.


A variação de preços hoje é grande: de R$ 19.000 a mais de R$ 65 mil em unidades com poucos milhares de quilômetros rodados.

O Avallone TF foi o único fora-de-série com mecânica de Chevette no Brasil (arquivo/Quatro Rodas)

O Avallone TF, réplica do MG TD 1953 criada em 1976 já figura em algumas coleções. Surgiu com mecânica de Chevette, que cedeu motor, câmbio, eixo dianteiro, diferencial e freios.


Em outras palavras, tinha motor instalado na dianteira, com tração nas rodas traseiras, como no roadster inglês. O concorrente MP Lafer, mais comum na época, tinha mecânica VW a ar, com motor e tração traseiros.


Antes de deixar de ser produzido, o que aconteceu em 1987, o Avallone ainda chegou a usar o quatro-cilindros do Opala e os motores 1.8 e 2.0 do Monza. As poucas unidades que aparecem à venda já custam mais de R$ 70 mil.

O Miura MTS foi o primeiro esportivo da fabricante gaúcha (Henrique Rodriguez/)

Outros fora-de-série que têm grandes chances de figurar em coleções são os sofisticados Miura e o contemporãneo Santa Matilde, com motor seis-cilindros 4.1 de Opala e acabamento primoroso. Ainda tinha o conforto de ar-condicionado e vidros elétricos, e a segurança dos freios a disco nas quatro rodas.

Santa Matilde SM 4.1: motor de Opala e acabamento refinado (Henrique Rodriguez/Quatro Rodas)

O SM era para poucos. Custava 330.000 cruzeiros em maio de 1978, o dobro de um Opala Comodoro seis cilindros. Hoje é encontrado à venda com preços entre R$ 40.000 e R$ 90.000.


No caso do Miura, os exemplares em melhor estado de todos os modelos custam entre R$ 30.000 e R$ 60.000.